2º Hábito – O namoro tende a pular a fase da “amizade” de um relacionamento

Bom Dia Geração Forte!

Hoje trago a vocês o segundo hábito descrito por Joshua Harris. Neste momento ele nos descreve um dos passos arriscados que podemos vir a cometer em um relacionamento: Esquecer que precisamos ter uma relação de amizade entes de maiores intimidades!

Sarah Sheeva compartilhou certa vez um pequeno texto que retrata este mesmo quadro:

Um relacionamento que é saudável, tem que começar pela amizade.

Sabe o por quê?

Porque se não serve pra ser seu amigo(a), também não serve pra seu marido ou sua mulher.

Como é que você vai ter um marido ou uma mulher que não é seu amigo(a)? 

Deixo vocês com esse texto que tanto tem contribuído na minha caminhada. Espero que curtam!

Jack conheceu Libby em um retiro do colégio promovido por uma igreja. Libby era uma garota amigável com uma reputação de levar a sério o seu relacionamento com Deus. Jack e Libby começaram a conversar durante um jogo de vôlei e parecia que gostaram um do outro. Jack não estava interessado em um relacionamento intenso, mas queria conhecer melhor a Libby. Dois dias depois do retiro ele ligou e convidou-a para um cinema no final-de-semana seguinte. Ela aceitou.

Será que Jack deu o passo certo?

Bem, acertou no que se refere a conseguir um programa, mas se ele realmente quisesse construir uma amizade, errou feio. Um programa a dois tem a tendência de levar um rapaz e uma garota além da amizade e na direção do romance muito rapidamente.

Você já ouviu alguém preocupado a respeito de sair sozinho com uma amiga de longa data? Seja, provavelmente ouviu esta pessoa dizer algo assim:

Ele me pediu para sair, mas eu temo que se começarmos a namorar isso mudará a nossa amizade.

O que ela está realmente dizendo? Pessoas que fazem declarações como esta, estando cientes disso ou não, reconhecem que o “programa” estimula expectativas românticas. Em uma amizade verdadeira você não se sente pressionado sabendo que gosta da outra pessoa, ou que ela
gosta de você. Você se sente livre para ser você mesmo e fazer as coisas juntos sem gastar três horas na frente do espelho, assegurando-se de que você esteja perfeita.

C.S. Lewis descreve a amizade como sendo duas pessoas andando lado a lado em direção a um objetivo comum. Os seus interesses mútuos os aproximam. Jack pulou esta fase de “coisas em comum” ao convidá-la para um programa típico, um jantar e depois um cinema, sem preocupações filosóficas, onde o fato de serem “um casal” era o foco principal.

No namoro, a atração romântica geralmente é a base do relacionamento. A premissa do namoro é:

Eu estou atraído por você; então vamos nos conhecer melhor.

A premissa da amizade, por outro lado, é:

Nós estamos interessados nas mesmas coisas; vamos curtir estes interesses comuns juntos.

Se após o desenvolvimento de uma amizade, a atração romântica aparece, então é um ponto a mais.
Ter intimidade sem compromisso é defraudar. Intimidade sem amizade é superficial. Um relacionamento baseado somente na atração física e nos sentimentos românticos apenas durará enquanto durarem os sentimentos.

 

Série: Os Sete Hábitos De Um Namoro Altamente Defeituoso

Texto extraído do livro: EU DISSE ADEUS AO NAMORO – JOSHUA HARRIS

Graça e Paz Galera!

Que Ele cresça em nós!

Anúncios